Culto às imagens – Charbel

Muito se fala a respeito do culto às imagens, se é lícito ou não e até mesmo se consiste em pecado o fato de cultuar imagens. Como Católicos, conforme a Constituição Dogmática Dei Verbum, que trata sobre a revelação divina, temos como fonte de revelação a Sagrada Escritura e a Sagrada Tradição, as duas em pé de igualdade. Isso para nós faz toda diferença! A Igreja católica sempre nos ensinou a verdade e sempre declarou lícito o culto às imagens. Há uma influência protestante em nosso meio que propõe como sendo verdadeiro somente e tão somente o que está na Bíblia: nada mais falso que isso! Tem muitas coisas que não estão na Bíblia e que evidentemente precisam ser feitas. Achar que a Bíblia esgota todas a necessidades humanas, é no mínimo uma infantilidade espiritual.

Tendo feito essa introdução, vamos à questão: em Ex 20, 2-5 e Dt 5, 8-10, a Bíblia proíbe a confecção de imagens para fins de adoração ( e a Igreja Católica também). Temos muitas passagens bíblicas que, em outros termos, repetem essa ideia. Em Nm 21, 4-9, o povo murmura contra Deus, sobretudo quando foi atacado por serpentes ardentes, manifestando assim o sofrimento no deserto. Moisés se coloca como intercessor entre Deus e os homens e Deus diz a Moisés: faça uma IMAGEM de uma serpente e coloque-a sobre um mastro ( poste) e se alguém for mordido por uma serpente, assim que olhar para a imagem da serpente, esse vai ficar curado! Quem falou isso? Foi Deus! Ele mesmo! Em outras palavras: Deus mandou fazer imagem! Deus ditou a construção do templo de Jerusalém contendo imagens, do meio das imagens no templo, Deus falava com o povo ( I Rs 6, 11.29; Ex 25,18; Ex 26, 31-33; II Sm 7,12; I Cr 22, 8-10; I Cr 28, 11-18; II Cr 3,10, etc, etc, etc). Como se não bastasse, como dito acima, se em Nm 21, 4-9 Deus manda construir imagem de uma serpente e olhar para ela para ser curado, em Jo 3, 14-15 diz que: como Moisés levantou a serpente no deserto e todos que olhassem para ela seriam curados, assim deve ser levantado o Filho do homem ( Jesus), para que todo o que n’Ele crer tenha a vida eterna! Para horror de muitos, Jesus é comparado com uma imagem ( tá na Bíblia). Vamos ao que nos interessa: o culto às imagens sempre foi ensinado pela Igreja, como um meio, e não como um fim. O fim sempre foi um só: Deus! A Igreja nunca estabeleceu o culto às imagens acima do culto a Deus! O culto que se dá a Deus é totalmente diferente do culto que se dá às imagens. A Deus adoramos com o culto de “latria”, de onde vem a palavra idolatria, que nada mais é que adorar um ídolo ( artista, filhos, bens materiais, etc) com o culto que se dá unicamente a Deus. O culto dado aos santos é chamado de “dulia”, ou seja, um culto de veneração e não de adoração.

Resumindo: à Deus adoramos e aos santos veneramos. À Deus o culto se chama LATRIA e aos santos DULIA. Em particular, à Nossa Senhora veneramos com o culto chamado HIPERDULIA!

Para não me alongar deixo a seguinte consideração: nem o Papa, nem os Bispos, nem os Padres, nem os Consagrados, nem os fiéis leigos e nem nenhum católico, ninguém tem problema em cultuar as imagens! Quem tem problema com imagens são os protestantes! Paulo diz em I Cor 4,16: sede meus imitadores! Cultuar a imagem de um santo ou santa canonizados, é fazer memória ou recordação: quem vive integralmente sua fé é digno de imitação, é modelo. Que caia por terra esse falso cristianismo que venerar santo nos afastará de Deus! Finalmente, que veneremos as imagens, que abramos nosso coração a Deus e tenhamos como modelo os que nos precederam e com sua vida nos ensinaram que vale a pena ser de Deus! Que tenhamos nossos santos de devoção, que busquemos a Deus com o exemplo deixado por eles e dessa forma gozaremos do paraíso ao lado desses vitoriosos. Que Deus nos abençoe!

Notícias Relacionadas

Comentários estão fechados.